quarta-feira, 30 de setembro de 2009

ENTREVISTA FRANCA E ESPERANÇOSA COM JHON C THOMAS



Jhon C Thomas é o representante do “Projeto Malawi” no país africano, é por meio da sua fundação homônima que os recursos chegam nas aldeias beneficiadas. Thomas é um homem religioso, é pastor evangélico de uma igreja, bem pequenininha, feita de madeira, que fica no quintal da casa dele, o púlpito está bem deteriorado, assim como alguns bancos. O chão em que costuma ajoelhar-se e orar, durante os cultos, é de terra. Sempre anda com óculos de sol devido uma grave deficiência em um dos seus olhos. E é claro, como a maioria dos malauianos, costuma carregar um bonito sorriso estampado no rosto.
A sua esposa é enfermeira, ela o ajuda, e muito, tanto nas despesas da casa, aluguel e mantimentos, como nos programas assistenciais da fundação.
Nesta entrevista, Thomas fala um pouco dos sonhos de construir um futuro melhor para as crianças, da luta que trava, diariamente, para levar melhorias para a população das aldeias, em regiões de difícil acesso, algumas desérticas e escaldantes, e da importância do "Projeto Malawi" nesses desafios. Ele também conta, de maneira resumida, como foi despertado pelas causas humanitárias.

Há quanto tempo existe a fundação?

Desde 2001

Por que resolveu criá-la? O que o levou a fazer isto?

Muitas razões. Primeira! A minha irmã mais velha morreu e deixou algumas crianças órfãs. Isto também ocorreu com a minha esposa, que perdeu uma irmã, ficando os sobrinhos órfãos. Esses fatos me levaram a ter um contato com crianças desamparadas.
Segundo! Meus pais se separam quando eu tinha oito anos, cresci sem pai e a minha mãe não tinha condições de criar os filhos, não tinha estrutura, não tinha dinheiro. Então, antes dos dez anos, já carpia mato para ganhar dinheiro.
O que eu passei na infância, os órfãos dessas aldeias passam hoje, quando olho para eles, me vejo ali, chorando, com medo, com fome, com frio, sem proteção.
Fazer um trabalho social voltado às crianças, é um desejo que sempre acompanhou os passos da minha vida.

Qual o seu grande sonho?

O meu sonho é transformar as vidas dos órfãos para que eles não tenham problemas psicológicos e sejam grandes cidadãos em Malawi. Por isso, luto pela proteção dele, tentando fazer o impossível para ajudá-los. Sonho em estender os serviços sociais da fundação, não só no Malawi, mas também na Tanzânia, em Moçambique, na Zâmbia... quem sabe um dia?

Como vê a participação do Brasil por meio do Projeto Malawi?

Esta parceria tem me ajudado muito, ela é parte dos meus sonhos, pois vai viabilizar a mandala, já construiu uma escola, três poços artesianos, está beneficiando, e muito, a vida das pessoas de três aldeias.

Contando essas três beneficiadas pelo projeto, quantas aldeias no total a sua fundação ajuda, atualmente?

21 aldeias no total

Quais são as principais dificuldades de viver em Malawi?

A questão do transporte é muito complicada, pois não tenho um carro bom para levar comida para as aldeias, que são distantes umas das outras, e longe da minha casa.
Outro grande problema é a falta de hospitais ou postos de saúde nas aldeias, muitas pessoas morrem antes de chegar à capital. Não temos tratamentos, não tem exames de sangue, não tem recursos para combater o HIV. Quem já tem a doença precisaria de remédios.

Como é uma pessoa religiosa, se fosse para escolher um versículo bíblico, como mensagem, para passar nessa manhã numa rádio malauiana, qual seria?

Tiago, capítulo 1, do versículo 27, diz: “A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo.


Igreja bem pequena e feita de madeira, os cultos são feitos aos domingos, pela manhã, já que não há energia elétrica.


Por dentro da igreja, chão de terra e alguns bancos.


Como acontece nas aldeias, na casa do Tomas o fogão também está "enraizado" no chão, não há fogão e nem cozinha.


Cartaz pregado na parede da escola, na sala da fundação, dizendo quais são os principais programas assistências.

Nenhum comentário: